Melhor site para esposa achado

Meus pais podem não ser meus pais. O que eu faço?

2018.09.08 20:17 Cabelitz Meus pais podem não ser meus pais. O que eu faço?

Atenção: isto é uma teoria. Nada comprovado. E quem falou o que falou teve razões para mentiocultaofuscar. Então, entendam tudo com uma tonelada de sal em cima.

Meus pais (T=mãe, L=pai) e eu nunca tivemos uma boa relação. Desde a infância. Situações em que eu apanharia por nada eram comuns. Para ilustrar, uma vez eu estava brincando no meu quarto, de Lego, e um gato entrou pela janela. Eu nunca tinha visto um gato. Eu me apavorei e chamei pelo pai, já chorando de medo (eu era criança idade<4 anos, da um desconto). Meu pai veio até o quarto e me empurrou pra trás na cama, onde ele subiu também. O gato deu umas voltas no quarto correndo, pulou pela janela e foi embora. Eu fiquei aliviado por uns 2s. Em seguida meu pai me bateu por ter assustado ele e voltou pro quarto dele, batendo a porta.

Eu tenho uma irmã, M, que sempre foi bem tratada. O tratamento era visualmente diferente, até para quem visitava a casa. Minha irmã ganhava tudo que pedia, eu não. Minha irmã estudou no particular nos melhores colégios, teve os cursinhos pré vestibular mais caros da cidade, teve curso de inglês. Tanto que hoje é concursada de uma federal e formada em Direito.
Eu? Colégio público a vida inteira, só não fui pra um colégio de quinta no ensino médio porque passei na prova do CEFET. Porém, por conta de como era diferente o tratamento que eu recebia, acabei tendo de sair do CEFET.
Com uns 14 anos eu pedi pra mãe comprar um tênis pra mim que eu achava bonito (ainda lembro que era um da Qix, daqueles que parece um pão de hamburguer de tão gordo). Era 300 reais. Meu sapato "anual" era um Topper de 80 comprado em 3 vezes na loja de sapato da esquina que a mãe era amiga das funcionárias e comprava parcelado no nome dela ao invés de usar cartão/cheque. Disseram meus pais que se eu quisesse o tênis eu que trabalhasse para comprar.
Passei um mês entregando panfleto pra uma lojinha, no sinal, pra comprar o tênis.
Coisas assim eram recorrentes.
Com 18 a situação já estava insuportável ao ponto de que absolutamente nada que eu precisasse era pago, exceto luz, água, comida e teto. Larguei o CEFET para trabalhar full time e paguei supletivo, do meu bolso, para finalizar meus estudos.
As coisas pioraram muito quando meu primeiro filho nasceu. Pra encurtar essa parte da história, chegou ao ponto de eles ameaçarem meu bebê.

Porque eu tô contando todo esse prefácio?

Certas peças do que me parece um quebra cabeça de novela mexicana começaram a se juntar na minha cabeça conforme eu fui fazendo perguntas às pessoas.

1 - minha irmã, quando eu era criança, falava que eu tinha sido achado. A mãe não brigava com ela quando ela dizia isso, simplesmente carregava ela pra um canto e falava baixo com ela.
2 - eu nunca era convidado pras festas de aniversário da minha irmã, e ela não ia nas minhas. As dela eram fora de casa, na casa de parentes da minha mãe, enquanto eu só recebia os parentes do meu pai e um amigo de infância.
3 - a minha irmã teve festa de debutante em iate. Meu aniversário de 16 eu ganhei a passagem e o dinheiro do xerox pra tirar minha carteira de trabalho. Eu sou homem, diga-se de passagem, então já não esperava muita coisa.
4 - recentemente, numa das últimas brigas que tive com meu pai, eu já estava além do meu limite de tolerância e disse: você não tem mais filho. A resposta dele foi "não dá pra perder O QUE NUNCA SE TEVE". Hm.
A partir daí eu fui reunir informações.

Minha mãe sempre me falou que a data de nascimento na minha certidão tá errada. A história é inconsistente e pra cada um ela fala uma coisa diferente.
Ela disse pra minha esposa que nasci em um hospital. Na certidão está outro.
Ela disse 3 idades diferentes para eu ter parado de mamar.
Ela disse que se recuperou da cesária 6 horas depois da cesária e que quando o médico chegou no quarto para dar alta, ela já estava de banho tomado e maquiada. NOTA: minha esposa passou por cesárea e ficou 2 dias de cama por conta da cirurgia.

Antes desses desencontros de informação todos, quando a minha mulher ainda estava grávida, a gente entrou naqueles sites de calcular probabilidade de cor de cabelo e olho do bebê usando os dados dos pais e avós.
Ao preencher os dos meus pais e o meu o site dá erro e diz "essa combinação é impossível/improvável". Hm.

Depois desse rolo todo, eu fui atrás de algumas informações genéticas, e aí que o bicho pega.

Pai de L: cabelo preto, olho castanho. Mãe de L: cabelo castanho, olho castanho.
Pai de T: cabelo castanho, olho verde. Mãe de T: cabelo preto, olho castanho.
L: cabelo preto, olho castanho. T: cabelo preto, olho castanho. Irmã: cabelo castanho, olho castanho. EU: CABELO LOIRO, OLHO VERDE.
Hm.
Fui um pouco além. Eu tenho uma única parente mais velha que eu que tem características semelhantes as minhas. Ela é loira de olho verde. Vou chamar ela de MR. MR sempre teve muito carinho por mim, sempre me chamando para passear. Eu cuidava dos cachorros dela quando ela viajava. Eu cuidava da casa nos finais de semana. E ela num geral sempre me tratou bem. MR tem uma filha e um filho. Ambos são loiros de olhos verdes. A mais velha, LA, nasceu em 1992. Eu nasci em 1991. Hm.
Fui mais um pouco além.
Em 1989/90 MR tinha um noivo, com quem já estava de data de casamento marcada. O noivo se chama MU. MU tem cabelo preto e olho verde.
Em 1990 MR desistiu do casamento com MU às pressas e engatou num casamento com JO. JO nessa época estava nos Estados Unidos fazendo MBA, pago pela empresa dele. Ele já era concursado na época.
Em resumo, JO era montado na grana e MU era um pobre coitado funcionário de eletrônica.

Esses tempos eu encontrei na rua o homem que era pra ter sido meu padrinho de batismo.
Perguntei pra ele se ele lembrava da minha mãe, T, grávida. A resposta foi tácita: não, e ela vivia na minha casa. Porque, tu acha que não é filho dela?
Contei essas discrepâncias e minha teoria.
Ele riu, e disse: "teorias que se confirmam! E só agora que tu tá indo atrás disso?"

estomago_afundou.jpeg

Teoria da conspiração:
MR engravidou de MU em 1990. Desistiu porque ele era um pobre fudido e resolveu reatar com o ex namorado que estava pra voltar dos EUA. Pra não chegar aqui com ela sendo "mãe solteira", implorou para T cuidar do filho como se fosse dela. Em compensação, ela daria um jeito de dar uma boa vida para T. Nem MU nem JO sabem disso.
Isso explica como um mecânico e uma dona de casa conseguiram construir uma casa de 2 andares, 3 quartos, 2 banheiros, área enorme, duas garagens, duas áreas de serviço/lazer e viver comprando móveis e eletrodomésticos numa época de crise. Também explica como eles tinham dinheiro para bancar os colégios de elite que bancaram para a Irmã. Também explica o porque nunca gastaram um centavo comigo. Explica porque L disse que "não dá pra perder o que nunca se teve", e porque T tem álbum de grávida de Irmã, muito mais velha que eu, mas não tem álbum de grávida de mim. Também explica porque não existe foto minha bebê exceto do dia do batismo.
Explica o porque de T não contar uma única versão dos fatos pra todos que perguntam. Explica ela não lembrar com que idade eu desmamei.
Explica o porque eu nunca fui tratado como filho, porque não me chamavam de filho e sim de [meu nome]. Isso explica a diferença de fenótipo entre eu, a família inteira de L, e a semelhança entre eu, MR e seus filhos. Eu ser filho de MU explica o porque temos aparência semelhante (testa, nariz, queixo, bochecha, orelhas, sorriso e formato de olho).
O que eu faço?
submitted by Cabelitz to brasil [link] [comments]