Eu amo o amor

Não publiquei nenhum livro, mas...

2020.11.30 01:12 maisumcaraperdido Não publiquei nenhum livro, mas...

Olá pessoal, primeiramente parabéns para quem publicou livro e também para quem fez outras coisas. Queria compartilhar com vocês uma história recente minha, que com certeza daria um livro mas que, com mais certeza ainda, não serei eu a escrevê-lo. Se não tiver muita paciência pra textão pode rolar para a próxima. Vamos lá: há cerca de dois anos atrás eu viajei a trabalho para Brasília e encontrei o que eu achei que seria o amor da minha vida. Sou bastante jovem, bissexual, já tinha sido casado com mulher por dois anos e estava afim de curtir a vida apenas. Quando ele chegou na minha vida eu logo quis algo mais sério, embora eu ainda tivesse alguma resistência, pois tinha terminado meu relacionamento há menos de um ano. Papo vai papo vem, nos demos muito bem, ficamos sabendo que morávamos no mesmo estado a cerca de três horas de viagem um do outro, acabei voltando para casa com o contato dele anotado no celular e com a imagem dele martelando na cabeça. Ele foi me visitar uma vez (eu morava na praia e não tenho carro), depois outra, e outra, e outra... Começamos a namorar. Nos víamos nos finais de semana, passeávamos, namorávamos, conversávamos e nos dávamos super bem. Foi quando a pandemia chegou e eu iniciei um período de trabalho remoto. Nós dois estávamos desesperados com a situação toda, achávamos que iríamos morrer, etc. Fui morar com ele, pois de lá teríamos melhores condições para socorrer nossas famílias caso o pior acontecesse. A boa notícia é que nada de ruim aconteceu com nossos familiares, mas aquela escolha de morarmos juntos foi a sentença de morte para nosso relacionamento. Há duas semanas atrás, aconteceu algo que eu nunca imaginei que me aconteceria: fui expulso de casa. Tivemos uma briga feia e ele me mandou embora. Eu tive que sair naquela hora, tive que organizar as minhas coisas o mais rápido possível e deixar o lugar que eu chamei de lar por quase um ano. Saí com uma mala de viagem pequena com as minhas roupas e uma mochila. Deixei para trás meus livros, parte das minhas roupas, meus objetos pessoais, as coisinhas que comprei com tanto amor para a nossa casa e o principal: a pessoa que eu mais amo (ava?). De uma hora para a outra tive que repensar totalmente a minha vida, modificar planos, traçar outros objetivos, arrumar outro trabalho para me sustentar, etc, tudo isso enquanto tentava superar a perda daquele que eu pensava ser o amor da minha vida. Como eu sou bem mais jovem e pobre do que ele, ele se sentiu bastante confortável em me expulsar da sua vida. Eu tenho os pés no chão, sempre soube que essa era uma possibilidade, mas nunca pensei que ele poderia fazer isso comigo. Nos dávamos muito bem em tudo e a nossa briga final foi por motivos bestas, fúteis. Nessas últimas semanas tenho me apegado ao trabalho, aos amigos e à minha família. Passei dias sem fome, sem sono, com uma dor parecida com a do luto. Agora, os sentimentos que tenho dele variam da saudade ao ódio intenso, passando pela pena. É muito cedo ainda para dizer os impactos disso tudo na minha vida, se vou conseguir confiar em alguém de novo, etc. Porém, posso dizer que estou esperançoso com o futuro, pois tenho descobrido habilidades em mim que eu nunca imaginei que tinha, além de ter ao meu lado pessoas que realmente se importam comigo. O medo de ser jogado fora novamente persiste como uma sombra na minha alma, mas saber que eu posso superar a coisa toda um dia após o outro é um alívio para a alma. Sinto muita falta dele, e tenho muita vontade de ligar e conversar, porém penso que quem fez o pior mal é quem deve pedir desculpas primeiro, não acham? No mais, não me vejo voltando com ele em circunstância nenhuma, uma vez que a nossa relação de confiança já está em cacos ao chão. Para quem teve fôlego para chegar até aqui: vocês já passaram por algo parecido? O que acharam da minha história? Abraços a todos vocês, uma excelente semana!
submitted by maisumcaraperdido to brasil [link] [comments]


2020.11.29 20:22 op1502 Artistas cantando canções escritas por Roberto Carlos

Postei em outro tópico, mas resolvi criar um só para isso. Há quem não goste do Roberto Carlos cantor (eu gosto, por sinal). Por isso resolvi criar esse tópico para celebrar o excelente compositor Roberto Carlos (não o meu preferido, mas não dá para negar seu talento). Vários artistas interpretando suas canções (algumas só dele, outras em parecia com Erasmo Carlos):
As canções que você fez pra mim - Maria Bethânia https://youtu.be/tdjY18DnrWM
Olha - Maria Bethânia https://m.youtube.com/watch?v=tqSaNvANjxw
Fera Ferida - Maria Bethânia https://m.youtube.com/watch?v=wnTUdw3nIgU
Cavalgada - Maria Bethânia e Erasmo https://m.youtube.com/watch?v=7UaYHAKuHGM
Do fundo do meu coração - Adriana Calcanhoto https://m.youtube.com/watch?v=FHux9XKAKfg
Gatinha Manhosa - Adriana Calcanhoto https://m.youtube.com/watch?v=PF5funV0ZJU
Por isso corro demais - Adriana Calcanhoto https://m.youtube.com/watch?v=flniNlkyeA8
Não se esqueça de mim - Nana Caymmi https://m.youtube.com/watch?v=EpWRwCYxhhc
Eu te amo, te amo, te amo - Marisa Monte https://m.youtube.com/watch?v=YRLMw_kYJiI
De que vale tudo isso - Marisa Monte https://m.youtube.com/watch?v=mcn7PDXJl7o
Sua estupidez - Gal Costa https://m.youtube.com/watch?v=rtHTSta0xh8
Meu nome é Gal - Gal Costa https://m.youtube.com/watch?v=8KHtYIL7_-Q
Traumas - Los Hermanos https://m.youtube.com/watch?v=iflj_vs1NvU
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos - Caetano https://m.youtube.com/watch?v=Iilc78Vbp_A
As curvas da estrada de Santos - Elis Regina https://m.youtube.com/watch?v=n7ZmESRj_Rk
Todos estão surdos- Chico Science https://m.youtube.com/watch?v=a8EO7Fm9JEM
De tanto amor - Nando Reis https://m.youtube.com/watch?v=H6LQEStl05A
É preciso saber viver - Titãs https://m.youtube.com/watch?v=LpYj_sI79v8
Se você pensa - Pitty https://m.youtube.com/watch?v=_gHhURsoGAU
Sentado à beira do caminho - Fernanda Porto https://m.youtube.com/watch?v=0izXcnRLBL0
Proposta - Zizi Possi https://m.youtube.com/watch?v=wP8AbDyT4g0
Detalhes - Ivete https://m.youtube.com/watch?v=qbaCkvf_xTw
submitted by op1502 to brasil [link] [comments]


2020.11.27 01:31 frustratedwriter15 Esse é o começo de um livro que estou escrevendo. Ele se chama "A menina que queria comer o mundo"

Parte 1: Sobre novos começos. A menina que queria comer o mundo Eu tenho um sonho recorrente, onde eu estou de frente ao oceano, as ondas batendo no meu tornozelo como uma gelada lembrança de que eu estou caindo aos pedaços e assim como o vento, eu desapareço. Me faço ar e água, eu viajo a mundos desconhecidos que são feitos de sussurros e histórias não terminadas que foram engolidas pela minha forma. Nesse sonho eu não sou feita de pedaços quebrados, eu não sou feita de beleza invisível, eu não sou feita de lágrimas derramadas em vão ou gritos ao silêncio. Eu sou de água e ar, eu mudo conforme necessário, eu sou amada incondicionalmente. Nesse sonho eu não existo. Mas então eu acordo, e estou de volta na minha cama e sentindo o sol esquentar o meu rosto, lembro o que realmente é real. Esses são os meus dias mais difíceis, na escola nada parece certo, eu fico com aquele sentimento no coração que é pesado demais pra carregar e difícil demais para explicar, são nesses dias que meus ombros abaixam e minha cabeça fica presa entre o real e o imaginário. Às vezes eu me pergunto se eu vou conseguir chegar até o dia seguinte, afinal como eu vou continuar sabendo que sou de carne e osso e existem limites para o meu ser? Eu não posso fugir, então fico presa nesse pequeno corpo que pouco significa comparado a grandeza de tudo e eu, continuo. A escola pode ser considerada um local de sentimentos mistos, lá eu consigo me superar e sinto que prenchoo um pequeno vazio de tudo o que falta em mim, mas também é lá onde ponho todo meu esforço para ser engraçada, ser compreendida e amada, é como uma constante prova onde eu tenho que passar e ganhar o respeito de todos, apesar disso eu ainda me sinto invisível. Sou um daqueles fantasmas de filme, posso ser sentida um toque ali, uma risada aqui, no entanto ninguém me enxerga, consigo ver atrás das risadas e das conversas animadas. Consigo sentir as pessoas se perguntando de onde ela surgiu? Eu continuo apesar de tudo. Eu então me refugio no meu quarto, entro no começo da noite e só saio quando o mundo fica quieto. Esse horário é perigoso, a quietude e a solidão te dão uma segurança falsa, elas contam mentiras de liberdade e falta de consequências. Esse é o momento em que eu ataco, de repente me vejo sem controle do que eu penso, sinto ou faço. Eu começo a comer, não importa o que, são poucos minutos em que o mundo me traz prazer e felicidade. Sou inundada por gostos e cheiros que me preenchem, cada lugar onde um dia foi vazio é preenchido por um sabor diferente.Salgado, azedo, doce, amargo não me faz diferença, contanto que sirva o seu propósito. Aos poucos volto a me sentir cheia até a respiração ficar difícil, e o meu corpo se sentir grande demais, assim faço o meu caminho de volta ao quarto e lá me faço a vítima de tudo o que eu acabei de fazer, e de tudo o que já fizeram comigo. Enquanto a culpa desce sobre mim eu vou adormecendo, deixando a dor se ajustar ao meu corpo, dominando tudo. Eu chamo isso de ciclo, estou presa nele, sobrevivo por causa dele, estou viva por ele e eu não sei como quebrá-lo, consigo o enganar fugir por algumas semanas, meses às vezes, mas ele sempre me acha e me traz de volta. Poucas pessoas sabem sobre ele, minha mãe foi a primeira a notar, no começo eu não quis acreditar. Afinal, como eu poderia estar me sabotando? No entanto, quanto mais as palavras ecoavam na minha cabeça, mais sentido fazia não apenas o que ela me disse, mas a minha vida inteira. Quando entendi o que ela me disse, entendi os vazios. Parecia que minha vida toda tinha sido finalmente posta em uma luz fria. No dia seguinte, a tarde fui a aula de pintura e contei pra uma pessoa, minha amiga Maria. A partir daquele momento ela passou a guardar meu segredo mais precioso, a razão da minha derrota. Não contei pra Maria sem motivo, para entender o meu porquê, você precisa entender ela. Maria é uma daquelas pessoas que emana luz e cheira a campos de flores em dias ensolarados, ela vê algo mais profundo e de alguma forma entende. Você não quer ser apenas conhecida por ela, quer ser enxergada por ela e, eu, fui. Ela viu por trás do esforço e das falsas personalidades, ela enxergou minha essência, o que quer que ela seja. Eu decidi a fazer minha confidente, guardei todos os seus segredos e ela os meus. Dessa forma, quando eu a contei sobre o ciclo e os vazios, ela não sentiu pena, não me perguntou se eu precisava ser ajudada. Não, ela compreendeu o que representava e o que significava. Acho que esse foi o primeiro dia em que eu estava completamente presente, eu não era um espírito observando todos e tentando agir de maneira certa, não, naquele dia eu existi. Pela manhã o dia não se misturava em fragmentos e borrões, eu conseguia ver os acontecimentos claramente. Ainda sim, no café o nevoeiro havia voltado, mas naquela manhã eu não me importei, porque agora eu tinha uma memória para guardar e não importava o quão escuro ficasse nada poderia tirá-la de mim. O dia seguiu normal, os momentos e as pessoas voando por mim, todas com um propósito, com um lugar para ir. Quando eu cheguei em casa, o vazio me invadiu, a noite e a sua solidão tomaram conta de novo, era como um tsunami que recuava ocasionalmente, mas sempre voltava com o dobro de força. Me arrastei até o quarto, deitei e fechei meus olhos e por uma hora imaginei praias brancas com as ondas indo e voltando, imaginei o ar da montanha batendo na minha cara e grandes florestas me rodeando, imaginei um campo florido com uma brisa leve me abraçando, imaginei um lago fundo e gelado, imaginei ser feliz e quando eu não consegui mais imaginar eu fui pra cozinha. Apesar de ter sido a primeira a notar, minha mãe nem imagina que eu ainda estou presa no ciclo, com muito esforço eu convenci ela de que eu melhorei. Meu último desejo era preocupar ela. Nós vivíamos sozinhas, meu pai desapareceu quando eu ainda era pequena e desde então a casa ficou vazia e o escritório foi ocupado por várias noites em claro. Meu pior dia foi uma noite fria de julho, a casa vazia fazia o meu coração arder e como uma tempestade de verão eu fui arrastada até a cozinha. Quando cheguei lá não consegui parar, eu estava no olho do furacão e assim eu comi, e comi e até os meus olhos arderem como o meu coração, e minha respiração ficar fraca eu não parei de comer. Eu acordei na minha cama no dia seguinte. Minha mãe já trabalhava na cadeira do meu quarto, e assim que percebeu que eu estava acordada ela apertou minha mão e me deu um olhar de pena. Eu nunca me senti tão inferior e envergonhada como naquele dia. As aulas de arte eram a minha salvação, meu porto seguro. Por arte você não precisa descrever sua dor, não precisa explicar, a dor só precisa ser sentida. O pincel passou a contar meus segredos, ele coloriu minhas cicatrizes e enfeitou a névoa. A arte era única parte minha, que não havia sido tocada pelo ciclo ou pela dor, ela era meu pequeno presente e eu a guardava com todo o meu ser. Como você já deve ter reparado, Maria é minha única amiga. E eu não digo isso para ser engraçada, apenas conto a verdade. Eu já estava acostumada e por mim nada precisava mudar. Quando uma das meninas se aproximou de mim na escola, eu não dei muita importância, eu não sou uma pessoa falante e em pouco tempo ela desistiria de mim. Mas recreios viraram almoços, e almoços viraram tardes na companhia dela. Por algum motivo ela não necessitava que eu conversasse, ela fazia isso por mim. O nome dela era Esther, de acordo com o que eu conseguia ouvir ela viraria uma arquiteta e pretendia fazer a casa de várias celebridades. Esther virou uma constante na minha vida. Quando eu fui parar no hospital, minha mãe e Maria já não estavam mais na companhia uma da outra, Esther estava lá e iluminava o quarto com suas conversas animadas e gargalhadas feitas de música. Esther tinha uma vida, um namorado e dois pais, ela morava perto da escola e pretendia se mudar quando se formasse. De acordo com ela eu tinha muita sorte de ser acolhida por ela. Eu não discordava, eu realmente tinha sorte. Esther era como um anjo caído do céu, a sua pele é da cor da noite e brilha quando o sol bate nela, os seus cabelos são grandes e cacheados e ela ama por ele em penteados. Ela ama abraços e consegue me deixar sem graça toda vez que me beija na bochecha para me dar tchau, eu não sou boa em demonstrar amor. Você deve estar se perguntando qual é o meu nome, ele é estranho, mas minha mãe o ama porque ele significa divina e pra ela eu sou completamente divina. Meu nome é Diana, ele não combina comigo, mas eu gosto de imaginar que em outra vida eu realmente fui divina. É tão estranho como pequenas coisas fazem diferença na nossa vida. Um sanduíche a mais, domingos sonolentos e ensolarados, uma amiga a mais, um beijo. No dia 15 de abril meu mundo brilhou, uma coisa dentro do meu coração foi acordada, algo que eu não sentia há muito tempo. Nesse dia, eu e Maria fomos visitar Esther, era aniversário dela e a ideia de festa dela era nós duas e seu namorado. Maria gosta de ser pontual, então chegamos 10 minutos mais cedo, ela segurava uma bandeja cheia de biscoitos e eu segurava a pintura que eu havia feito pra ela de presente, ela merecia, 17 não é uma idade fácil de chegar. A casa de Esther não era muito grande, mas também não era pequena, ela tinha um quintal e até o ar parecia diferente aqui, como em um filme. Andar pela casa dela era como ver o que sua vida deveria ser, a casa dela parecia ser tirado de um poster do prédio do serviço social. Quando entramos no quarto dela a felicidade se foi, eu nunca me senti tão desconfortável como quando vi Esther chorando. Enquanto eu entendia o que estava acontecendo, uma raiva também descia sobre mim, porque ninguém jamais deveria machucar Esther. Após alguns copos de água, finalmente conseguimos descobrir que seu término era o motivo do choro. Ele tinha arranjado uma menina melhor, de acordo com ela e ele tinha decidido que hoje era o dia ideal para contar-lá. Eu não me lembro de muito depois disso, os sons e as vozes viraram um só. Tudo o que eu conseguia ouvir era minha raiva, eu me sentia um vulcão prestes a explodir, como alguém ousava machuca-lá? Por que as pessoas eram tão cruéis? O que eu, ou Maria ou Esther havíamos feito para merecer tanta merda? A raiva borbulhava por baixo da minha pele e eu precisava socar alguém. Aos poucos decidi que eu não tinha força suficiente para socar alguém, invés disso pela primeira vez em meses eu decidi falar. - M...Man..Manda ele sse fuder. Foi a primeira vez que falei na frente de Esther, ela me olhava com os olhos arregalados, enquanto Maria colocava o copo de água no criado-mudo. -Você fala! Eu estava prestes a começar aula de sinais - ela falou com um sorriso no rosto, enquanto me encarava, eu apenas acenei com cabeça e soltei uma risada baixa. Eu nunca tinha passado um dia como aquele, só nós três comendo besteira sem culpa, elas conversando enquanto eu observava e ria eventualmente. Nesse dia eu descobri o que era felicidade. A noite veio rapidamente, e levou Maria com ela para sua casa, no entanto eu decidi segurar aquele sentimento e dormir na casa de Esther. Eu estava com medo, as noites não eram meus momentos mais fáceis, ainda sim eu queria pelo menos uma vez na minha vida falar que eu fui verdadeiramente feliz. Nós comemos e assistimos um filme, e por fim Esther quis ir até o seu quintal. Enquanto observamos o céu, uma tristeza desceu sobre mim, não era a tristeza que eu estava acostumada, mas sim uma saudade antecipada do sentimento que preenchia meu coração, eu queria poder congelar esse momento, mas ele escorregava aos poucos pelos os meus dedos. - Eu sei que minha vida parece perfeita, mas às vezes eu me pergunto se eu mereço isso, sabe? Eu nem sei se eu sou uma boa pessoa, alguém me ama? - Isso me pegou de surpresa, porque pra mim não existia uma versão dela que não fosse amável, para mim ela era tudo que existia de amável no mundo. - Eu te amo - eu sussurrei e peguei sua mão na minha, enquanto as palavras caíam sobre ela, eu decidi que era amar ela o que me fazia uma pouco mais próxima da luz. Se ela era tudo de amável no mundo e se eu era a única que a amava, então eu também era mesmo que só um pouco. Certos momentos ficam marcados na sua memória, eles não sempre fazem sentido, mas são esses pequenos momentos que te trazem de volta, quando o oceano tenta te puxar e te afundar, essa noite foi um desses momentos. Nada grande aconteceu, nada especial, eu não virei uma pessoa diferente, ainda sim eu nunca esqueceria o cheiro de grama molhado e calor dos dedos dela entre os meus, se isso era felicidade eu nunca mais queria largar-lá.
aqui vc encontra tudo que eu já escrevi, até agora
submitted by frustratedwriter15 to EscritoresBrasil [link] [comments]


2020.11.26 15:37 Greym4n055 Meu tio tentou matar a minha vó e eu tenho que conviver com ele

Ele é esquizofrênico, já causou dor de cabeça para a família relacionada a drogas, bebida, dinheiro e agressividade durante as crises. A minha vó, mãe dele, é a pessoa que eu mais amo no mundo. Por algum motivo durante as crises ela se torna a pessoa mais odiosa do mundo pra ele. A primeira vez foi quando estávamos morando em uma casa, ela chegou ensanguentada dizendo que ele tinha atacado ela com uma tesoura, a segunda foi quando estávamos em um apartamento, ele apareceu pedindo dinheiro, minha mãe negou e dias depois ele apareceu lá tentando pular a janela, estávamos sozinhos, eu tinha 10 anos. Ela pediu para ele dar a volta no prédio e entrar pela porta, enquanto isso me escondeu em baixo da cama e foi se esconder na portaria. Ele tinha um martelo e quebrou todas as nossas televisões e o nosso microondas, por algum motivo não me viu quando entrou no meu quarto. Tempos depois ele foi preso por matar um bandido da rua dele. Agora que já saiu eu tenho que agir normalmente quando estamos em alguma confraternização da família, todos perdoaram ele, inclusive a minha vó com aquele amor incondicional de mãe. Mas eu? Bom, não vou aceitar uma terceira vez. No mais, prefiro manter distância.
submitted by Greym4n055 to desabafos [link] [comments]


2020.11.25 21:24 TheFidelis664 Me apaixonei pela minha melhor amiga

Conheci ela há um ano atrás, na época ela namorava um rapaz. A gente era só amigo e o relacionamento dela não ia muito bem, ela sempre dizia que queria terminar e tal. Então pra não parecer um babaca oportunista, eu sempre aconselhava ela a continuar o namoro ou pelo menos tentar. Até que ela decidiu terminar com ele. Duas semanas depois desse término, ela quis ficar comigo e a merda aconteceu: eu me apaixonei. A gente começou a ficar mais e mais próximo, passar o tempo todo juntos, eu realmente achei que ia dar em namoro, mas não. Ela só queria ter amizade colorida comigo... O pior golpe foi quando ela mesma me contou sobre ter ficado com outras pessoas e falar que queria continuar sendo apenas minha amiga. Hoje, eu fui na casa dela,conversei um pouco, tudo normal. Até que ela me falou que tinha chamado um amigo pra ir lá também. Eu fiquei com muito ciúme e inventei uma desculpa pra ir embora antes desse amigo chegar. Agora pouco ela me manda mensagem perguntando se eu tinha mentido pra ela sobre o motivo de eu ter ido embora e eu disse que não tinha motivo pra mentir. Não sei mais o que fazer, eu adoro a companhia dela mas eu realmente a amo. Não aguento ser apenas um amigo, isso tá acabando comigo. O que devo? Me afastar e ficar sozinho ou tentar esquecer esse amor impossível?
submitted by TheFidelis664 to desabafos [link] [comments]


2020.11.24 17:02 Naaaahpunk Rótulos são um saco

Oi, é eu não sei mto bem como começar mas vamos lá, pq as pessoas rotulam tanto as coisas? Quer dizer, tudo bem q pode ter um contexto histórico, no qual grupos ou movimentos para se identificar precisam de alguns nomes, principalmente no movimento LGBTQ+. Mas, de qualquer forma as pessoas ultimamente se rotulam demais, ao ponto de criarem brigas por causa disso.
As pessoas acabam levando muito além, extrapolam nas ideias e ficam criando uns negócio loco pra simplesmente se sentirem aceitas, mas pra que? Seria tão bom se as pessoas pudessem conviver com a suas diferenças, amor é amor, não é isso q pregam? Ent pra que se preocupar com oq o outro é, se você ama e respeita o outro não é isso q importa?
É isso só queria sei lá tirar isso de mim, eu meio q tbm n sei oq sou do meio lgbt sabe, mas sei q amo não importa sexualidade ou qualquer desses requisitos estranhos, já me identifiquei com várias coisas, mas pra mim nd disso faz sentido mais, oq vcs acham?
submitted by Naaaahpunk to desabafos [link] [comments]


2020.11.23 14:59 nejdknene Namoro a distância

Minha namorada mora em outra cidade, nós nos conhecemos pela internet e acabamos nos apaixonando.
Foi td muito rápido, em questão de 2 semanas ja rolou o primeiro "eu te amo". O foda é q ela mora longe e nós dois somos adolescentes ainda, não tem como eu ir pra la sempre q quiser.
Ela ao contrário de mim tem boas condições e disse q vem me ver pelo menos 1 vez por mes.
Nós ja saímos juntos, a 1 semana atrás tivemos nosso primeiro encontro, foi MUITO bom cada segundo, eu consegui perceber com aquele encontro q ela me ama msm. A gente vai se ver dnv em dezembro. Mas sla, machuca saber q eu não posso ir ver ela a hr q eu quero, não posso falar "ah hj eu to meio mal, vo ir ver ela", no maximo eu posso fazer "oh amor vem me ver mes q vem". Sla mano, dói nn ter a mina q eu amo aq cmg
submitted by nejdknene to desabafos [link] [comments]


2020.11.23 07:40 outsider2677 Saí com uma garota hoje...

Hey pessoas, pra quem não sabe eu fiz um desabafo aqui há um tempo atrás, aquele em que eu falei sobre ser traído após 4 anos de namoro e que agora moro com meus pais.
Primeiramente agradeço de coração as pessoas q simpatizaram e tentaram me ajudar, de verdade. E em segundo lugar, a dor do término ainda está comigo mas acredito q o pior já passou. Eu e ela cortamos contato após a última vez q nos falamos.
Agora ao desabafo, depois de passar tanto sofrimento, eu decidi mudar minha vida. Estou imensamente mais positivo atualmente com as coisas e estou tentando ser o melhor possível com meus amigos e parentes, sabe, estou dando o meu melhor pra que todo mundo q eu conheça seja ouvido, reconhecido e amado.
Hoje aceitei sair com uma amiga que eu conheço desde o ensino médio, tivemos uma leve estorinha na época mas n resultou em nada, voltei a falar com ela recentemente e ela me chamou pra sair hoje, eu aceitei e nos encontramos.
Eu confesso que fiquei muito nervoso de início maaas tentei ser o mais positivo e autêntico possível, coisa q eu havia deixado pra trás faz tempo. E mano, o "encontro" fluiu muito bem, eu fiquei genuinamente bem feliz de me encontrar com ela, como falei, tivemos uma estorinha no passado mas era coisa de adolescente, e eu nao fui com o intuito de ficar com ela e nem nada (coisa que nao aconteceu).
E eu acho que o término que eu passei me fez dar mais valor aos sentimentos das pessoas e eu acho q esse encontro saiu super bem por isso. Eu não a tratei como uma possível ficante (nunca faria isso) e sim como uma pessoa com defeitos, qualidades e vontades. E cara, eu amei demais todo o dia q passei com ela, falamos sobre sexo, namoro, amizades.
E eu quero agradecer todos vocês por terem me ajudado nesse perrengue que eu passei. Vocês são as melhores pessoas do reddit, de verdade.
O que eu digo é, dê amor pras pessoas sem esperar nada em troca. Eu falo por mim, pois minha natureza é pessimista e niilista (outra hora explico) e mesmo assim, o que mais tem me deixado feliz ultimamente é amar (ou pelo menos tentar) o próximo.
Amo vocês, pessoas anônimas!!!
submitted by outsider2677 to desabafos [link] [comments]


2020.11.22 01:08 bombarril Ruim com ela, pior sem ela

TL;DR: terminei hoje, eis aqui um longo desabafo.
Hoje de tarde pedi um tempo para minha então namorada. Nossa relação estava me fazendo mal, e os momentos bons eram tão raros que não compensavam o esforço. Mas como me dói... Eu ainda amo aquela menina, e sei que ela realmente estava tentando ser uma boa namorada para mim, só que eu não acho que ela possa simplesmente mudar o jeito dela, nem acho que isso seja correto.
Eu sinto falta de quando a gente era amigo. Tudo era tão mais fácil... A gente se via, comia junto, dava risada, assistia um filme. Depois disso, íamos cada um pra sua casa, sem compromissos, sem discussões. Só coisa boa. Começamos a namorar e começam as expectativas um do outro. Eu nem sei se eu pedia demais, sabe? O que me motivou a pedir um tempo foi a falta de interesse dela.
Eu sei que ela tem seus compromissos, e que o pai dela é um pé no saco, mas poxa, já estamos há 20 dias sem se ver, e moramos perto. Eu também tenho meus compromissos, e conseguia sempre arranjar um espacinho para acomodar algum encontro ocasional. Eu propunha encontros sempre, sempre. Na amizade a gente se via umas 3 vezes por semana. Começamos a namorar e passamos a nos ver aos fins de semana. Depois só de domingo. Estamos há algum tempo nos vendo domingo sim, domingo não. E pra mim isso simplesmente não dá. E quando a gente finalmente se vê, ela age tão distante... Ela não segura minha mão nem me beija. Se eu ganhar um selinho é muito. E mesmo que eu só abraçasse ela pelo resto da minha vida, por mim isso não seria problema, sabe?
Eu me sinto... descartável. Toda vez que eu planejo um encontro e ela me fala uma das 3 clássicas, eu fico bem mal.
  1. Estou ocupada
  2. Meu pai não deixa
  3. Não quero
E ela? Tanto faz. Ela mesmo me disse isso uma vez. Não fazia diferença se ela me visse ou não. Ela estava contente apenas trocando mensagens. A gente praticamente webnamora, embora moremos na mesma cidade e sejamos maiores de idade. Ela é um amorzinho por mensagens, responde rápido e a qualquer hora, sempre dizendo que me ama e que me quer na sua vida. Mas ela fala uma coisa e age de outro jeito... Sei lá. Peço pra fazer call e parece que eu tô pedindo o cu dela. Sempre um sacrifício pra ela fazer qualquer coisa. Convido ela para jogar o jogo favorito dela, pq eu tô com saudades, e ela várias vezes me diz q n ta a fim ou q tem mais oq fazer. Daí em questão de 1h eu vejo e ela ta la jogando solo q. Ah, mas vsf. Eu valorizo demais o tempo q eu passo com ela, seja oq for. Pra vc ter uma ideia, eu já fui até em velório pra outra cidade com ela. Odiei, foi péssimo, mas eu fui pq era com ela. A companhia dela me motivou. Agora ela? KKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Uma vez eu tava NA RUA DELA, e falei:
"Amor, tá em casa?"
"Tô, pq?"
"Tô aqui em frente kkkkk. Vem aqui"
"Não posso"
"Como assim?"
"Tô ocupada agora, não vou sair aí"
Eu chorei. Estava morrendo de saudades. Eu sou meio trouxa, eu admito.
Sei que ela era fiel. O problema real dela é a depressão. Ela sofre com isso desde a amizade, e eu sempre fiz meu melhor pra ajudar ela com isso. Sei que provavelmente seria bom pra ela que eu continuasse vivendo este relacionamento, mas honestamente, pra mim não dá mais. Choro quase todo dia, passo um puta nervoso, pq ela simplesmente se isola de mim e de todo mundo. Preferia ainda ser o amigo dela. Ser seu namorado tem sido desgastante.
Enfim, pedi um tempo pra ela hj de tarde, após mendigar pela terceira vez no dia se eu poderia ver ela. De manhã, ela disse q n sabia, q ia ver. No almoço, disse que faria faxina e q só se fosse mais tarde. Daí fim de tarde ela me diz q nem fez faxina, e que n ta fazendo nd, mas q a gente n ia se ver msm. Isso a gente estando há VINTE dias sem se ver. Daí eu tiltei. De modo educado, claro.
"Sério. Pra mim não dá mais. Não aguento mais esse sufoco pra simplesmente ver a sua cara. Eu quero um tempo."
A resposta dela?
"Tudo bem, eu compreendo. O que quer que você ache melhor para vc"
Não nos bloqueamos nem nada. Só não nos conversamos, e planejo tratar ela como uma conhecida por algum tempo, enquanto eu organizo minha cabeça, e ela a dela.
O que eu realmente espero com isso é que ela mude de ideia sobre tudo, e comece a me valorizar. Mas eu n acho q isso vá acontecer. Acho q acabaremos n voltando mais.
O que me dói, honestamente. Sei que todo mundo deve dizer isso, mas é minha primeira namorada e eu n consigo imaginar outra pessoa em seu lugar. Eu vou provavelmente procurar alguém muito similar, e comparar essa pessoa à minha ex. Eu simplesmente amo ela, conheço tudo dela, sei de tudo que ela gosta e de que ela não gosta. Sei dos podres, dos problemas, dos medos. E ela os meus.
Caras, aiai. Eu amo ela como eu amo minha irmã, como eu amaria uma filha. Eu quero tanto ela bem, puta merda. Eu tô mto dividido, queria que ela fosse diferente. É só... Mas é tão difícil...
Antes fosse só ela o problema. O pai dela me detesta por várias e várias razões. Eu tenho que ouvir as abobrinhas dele toda vez que cogito algo que ele não aprove, além do que ele já critica meu jeito e minhas atitudes. Ele me culpa por tanta coisa que eu nem tenho nada a ver...
Queria nunca ter pedido ela em namoro, gente. Acho que é isso. Sinto falta da minha amiga, e da minha paz de espírito.
submitted by bombarril to desabafos [link] [comments]


2020.11.21 14:03 Russo664 Ser emocionalmente a "garota" da relação é uma coisa ruim? kkk

Eu vi isso em um post, até comentei lá mas quis fazer o meu próprio. Atualmente eu não namoro, e eu venho crescendo e aprendendo muito sobre mim, se algum dia calhar de acontecer, sinto que estou preparado comigo mesmo pra isso.
(Tenham amor por si mesmos! vai te fazer entender muita coisa e sua forma de se sentir com os outros vai ser bem menos dolorosa.)
Mas sobre ser uma "garota" em um relacionamento, eu quero dizer o esteriótipo, ser amoroso demais sabe? Minha personalidade é toda assim, sentimental, eu não escondo meus sentimentos, eu gosto de ser amoroso e mostrar o quanto de amor eu tenho, e eu me amo justamente por ser assim, foi dessa forma que eu me encontrei, e sinceramente, se a pessoa não gostar disso, eu tô fora, não quero ser nada além de mim mesmo com alguém que eu queira amar.
Eu não conheci muitas pessoas que fossem assim, e gostaria de conhecer! Com uma personalidade mais sentimental só foram alguns amigos gays e algumas amigas em geral. a sim, e eu sou hétero
bom dia pro cês!
submitted by Russo664 to desabafos [link] [comments]


2020.11.21 13:41 ecrasee Perdão, pai. E embora eu me recusasse a aceitar: eu te amo sim.

Eu tinha uma relação conflituosa com meu pai; desde a minha adolescência praticamente todos os nossos contatos foram discussões, quase sempre calorosas e com palavras pesadas, até chegar ao ponto em que não nos falávamos mais. Eu sabia de todos os motivos pelos quais eu não conversava com ele e esse não contato foi uma tentativa -precária- mas a única que eu via depois de tentativas de consenso, de agir conforme meus sentimentos e pensamentos em relação aos comportamentos dele. Eu pensei tantas vezes no quanto seria tão mais agradável se eu vivesse só com minha mãe e irmã, desejei tantas vezes isso. Falei tantas vezes coisas horríveis. Deixei tão claro o quanto ele havia sido um pai e esposo medíocres. Tive TANTA convicção de que eu o odiava e que ele representava tão pouco pra mim. Relutei antes de ir no hospital vê-lo quando ele adoeceu (ainda que eu não soubesse que seria a última vez que o veria). E agora meu pai morreu e quais os meus sentimentos? Saudade imensa, arrependimento, constatação de um amor que eu não sabia que existia; um sentimento bem oposto ao que eu achei que sentiria nessa situação. Eu quase não suporto olhar pra mesa na qual ele ficava sentado, para as toalhas que ele tão orgulhosamente bordava, pensar nos boleros que ele escutava, ver os livros que ele lia, as cruzadinhas que ele sempre comprava, ou lembrar do seu andar, do sorriso sem graça que ele dava todas as vezes (sempre) que ele pedia opinião pra algo, inseguro que era ou se julgava ser. Parece que em tudo há ele, ou melhor dizendo, eu vejo agora que há muito dele em mim. E aí eu penso no quanto existe uma parte tão constitutiva de nós mesmos à qual a gente não reconhece ou se recusa a aceitar, mas que diz muito sobre quem somos ou nos tornaremos. E como eu queria, não ter anulado e deixado passar em branco meus descontentamentos e as pisadas de bola dele, mas ter sido mais cuidadosa e sensível no meu olhar em relação a ele. Ele se achava uma pessoa tão fraca, tão incapaz. E eu reforcei esse pensamento inúmeras vezes, mesmo sentindo o mesmo em relação a mim. Depois, o dia que vi ele no hospital numa situação tão solitária, desamparada e triste, quando vi ele, que era tão animado, preso a uma cama e lutando pela vida de forma tão ingênua, porque nem sequer considerou a morte por um minuto que fosse, eu pensei que na verdade ele era muito forte. Queria dizer isso pra ele. E dizer que eu o amo, ainda que não da forma que eu até então compreendesse o amar. Te amo pai, incompreensivelmente e genuinamente, eu te amo e como queria ter te dito isso quando ainda era possível.
submitted by ecrasee to desabafos [link] [comments]


2020.11.21 08:57 yllmrmd Desabafo

Eu sei que ninguém vai ler. Mas preciso soltar com alguém que não me julgue ou seila. Eu tive um relacionamento por dois anos e meio, tive um passado com muito erros, erros que eu não conseguia falar pro meu namorado que hoje é ex, por vergonha e arrependimento mesmo... A gente sempre.prometeu ser aberto um com o outro... Acontece que nossas famílias nunca de deram bem, nem a minha com ELE. Isso foi se tornando um fardo pois ainda não moro só e ficou difícil pra nós dois. Terminamos a uns três meses por conta de tudo isso sabe? O amor é real, mas as circunstâncias não ajudam a nós ficar juntos. Familia é a principal causa. E eu tenho aquela família que diz as coisas serem o melhor pra mim mas se eu fizer O QUE EU acho melhor PRA MIM, é errado, e tô sendo infantil, não tô pensando e etc. E eu descobri, que esses erros que eu tinha medo de contar, pessoas da família dele diziam que eu tinha cara de "falsa" por não ter sido sincera com ele nessa parte do passado. É difícil de explicar uma história que aconteceu em três anos. Eu só queria dizer que ele foi tudo que eu sempre quis pra mim. Ele me respeita, me faz sorrir e faz de tudo pra tá comigo e realizar meus sonhos. Nós nos falamos e queremos ficar juntos mas não tem como agora. E sinceramente, tenho receio de nem da futuramente. Ele parece ser uma pessoa certa que chegou no momento totalmente errado. Meus pais se preocupam mas interferem muito nas minhas decisões, e eu tô mentalmente cansada com tudo isso. De verdade. Eu amo uma pessoa mas por comentários, fofocas e opiniões alheias, foi acabando.... É isso, me sinto vazia, não por causa disso, mas por causa de tudo que vem acontecendo, tenho me sentido triste diariamente, as vezes da vontade de chorar e só parar de existir. Obrigado se você leu até aqui.
submitted by yllmrmd to desabafos [link] [comments]


2020.11.21 06:27 boxesroll Por que insiste quando sabe que nada será como antes?

Você voltou e logo as lágrimas que secaram voltaram a cair. Fiquei feliz por te-lo novamente como uma notificação e triste por desenterrar um amor que só floresceu em mim. Eu não sei o que você e está fazendo aqui quando claramente não estamos mais na mesma vibe. E tudo que você um dia abominou, prática comigo. Você quer pagar de desapegado, o cara que supera tudo muito rápido e parte pra outra, o cara que sempre age do jeito certo... Tudo bem. Quando me perguntarem direi que fostes um bom rapaz. Não precisa insistir na nossa "amizade" como se me devesse alguma coisa. Nunca senti por ninguém o que sinto por você. Somos dois extremos; céu e inferno. Sempre achei que tínhamos uma sintonia maravilhosa por isso nos tornamos melhores amigose e depois namorados. Eu não consigo confiar em você, não confiava antes e confio menos agora. Você nunca se mostrou tão volátil. Mas eu já disse que não vou embora de novo.
Poxa... 3 vezes. Já posso pedir música no fantástico. Você também disse que quer ficar mas se for para ficar assim, prefiro que vá. Eu ainda te amo muito e você sabe disso. Se superar for esquecer completamente tudo e fingir que nada existiu, me desculpe mas não vou superar. Eu estava enterrando esse amor, ele tava ficando de lado, pequenininho até você ressurgir banhado no teu egoismo.
Poxa, pedi tanto pra você me deixar. Pedi tanto para não voltar nunca mais e isso era tudo que você precisava fazer. Isso só mostra que você realmente não gostava de mim. Eu digo que fui embora te amando e como você não sentia o mesmo, pedi para não mais voltar. Como você pôde ser tão egoísta? Eu criei um homem na minha imaginação com os teus moldes. Na realidade, você nunca foi esse homem. Estou completamente vendada. Não sei o que fazer e não queria ter o que fazer quando parece que só eu tomo decisões. Às vezes gostaria de nunca te-lo conhecido. Mesmo te amando estava seguindo em frente, conhecendo gente nova e bacana. Eu dizia a mim mesma que se fosse para você voltar que voltasse para colocar um sorriso no meu rosto e não me fazer passar noites em claro tentando me esvair de você. E se eu estou tão chata como você mesmo já disse várias vezes, pq vc simplesmente não vai embora? Você não é obrigado a me aturar e nem eu a te aturar quando digo que sou o teu reflexo em se tratando de comportamento. Você tá de mostrando um cara comoletamente escroto e me fazendo pensar em como pude gostar de você.
Por que você voltou? Por que esta aqui quando parece não querer estar? Você não me deve nada. Absolutsmente nada. Eu estava disposta a não voltar nunca mais e o mínimo que eu esperava de você era o mesmo. Que droga! Eu te amo tanto e não consigo fingir que nao. Eu quero o seu bem mesmo você não querendo o meu. Nossa última conversa ontem me deixou em estado de alerta e um tanto decepcionada. Não sei se cabe uma conversa pessoalmente. Eu só quero um poucos de paz de você.
submitted by boxesroll to desabafos [link] [comments]


2020.11.20 23:38 Viyum227 Descompasso no sentimento

Eu estou ficando com uma garota desde o começo do ano, ficamos um tempo sem se ver por conta da pandemia mas continuamos a conversar. Eu desenvolvi grandes sentimentos por ela e em um certo ponto ela também desenvolveu por mim. Nós dois nós consideramos namorados embora não tenha tido um pedido oficial.
Ela sempre foi muito gentil e carinhosa comigo, e eu nunca faltei com ela. Sempre ajudei em tudo que pude, fiz de tudo para agrada-la, apresentei ela pra alguns amigos e jogamos juntos.
A questão é: Ela nunca me apresentou para ninguém, quando ela joga com os amigos dela ela da uma desculpa pra não me incluir. Além disso, de repente ela se tornou seca. A pessoa que me mandava textos enormes de amor, hj me responde com base no kkkkk, boa, oloko, tbm te amo.
Não sei o que aconteceu, já tentei conversar mas sinto que ela não se abriu totalmente comigo. Quando jogamos, ela praticamente me ignora e dá toda a atenção para quem tbm está jogando com a gente. Até na questão sexual ficou tudo diferente, os flertes que eu faço já não dão mais reação, minhas tentativas são ignoradas ou respondidas friamente com eita ou oloko. O único momento que ela é mais sentimental comigo é quando a gente se encontra, mas mesmo assim, eu tenho de implorar para nós vermos.
Faço de tudo para ela, trato ela super bem, apoio ela nos momentos de insegurança, ajudo a resolver os problemas, mas não vejo ela fazendo o mesmo por mim. Me sinto muito mal com essa situação. Já tentei conversar mas ela só diz que está pensativa ou que assim é o jeito dela.
Sei lá meu, sentimentos são algo estranho. Amo muito ela, não quero que as coisas acabem assim. Mas acho que o sentimento dela por mim não está mais crescendo...
submitted by Viyum227 to relacionamentos [link] [comments]


2020.11.20 13:11 DucksAreKindaCute Meu namoro acabou e a dor tá insuportável

Eu já escrevi e reescrevi e não sei por toda essa situação em palavras. Só, depois de anos lidando com a própria depressão, tanto ele quanto eu, meu namorado tava com medo de morrer. Ele disse que chegou num ponto que se ele não se resolver logo, ele vai acabar fazendo uma besteira. E pra se resolver, ele não pode estar comigo agora.
Ele pediu desculpas por ter sido insuficiente, por me amar antes de aprender a amar a si mesmo, por ter desperdiçado meu tempo... eu não queria que ele visse as coisas desse jeito. Que ele se visse desse jeito.
Eu não queria que tudo precisasse acabar pra ele poder se cuidar. Queria ter dito algo antes, ter falado com a mãe dele sobre tudo isso antes, ele sempre dizia que tinha medo de ela não entender, ou de preocupar ela e deixar ela em desespero quando ela já tinha muitas preocupações. Eu devia ter dito algo, ter feito algo antes que chegasse tão longe. Queria não ter insistido tanto pra que ele me explicasse as coisas, pra me fazer entender o que ele tava sentindo, porque não tinha como eu entender. E mesmo não me entendendo tantas vezes, ele sempre esteve ali pra mim.
Só queria ter feito algo diferente. Sei que é contraprodutivo isso agora, ficar pensando em mudar o passado, e nada que alguém disser vai aliviar o que eu tô sentindo agora. Eu só queria que as coisas pudessem ter sido diferentes.
Mesmo ele dizendo que não me culpa, e me pedindo tantas desculpas, parte da culpa é minha. Porque todo mundo tem problemas, e eu empurrei demais os meus em cima dele, problemas pequenos, paranoias imbecis, coisas que eu deveria estar conversando com meu psicólogo e nunca soube como começar a falar disso. E colocando meus problemas nele, tirei o espaço que ele tinha pra lidar consigo mesmo.
Eu tô tentando não pensar em tudo isso, mas não consigo. Dividi tanta coisa com ele que meus hobbies, o que me trazia alguma felicidade, é parte lembrança dele também. Tem muita memória nossa no meu quarto, nas minhas coisas, nas coisas que as pessoas falam, e é muito difícil só filtrar isso e deixar o que é meu pra tentar não sofrer.
Logo mais preciso ir trabalhar, e não sei como vou fazer isso. Eu não posso parar um minuto, porque se eu parar eu penso, e se eu pensar eu choro. Eu fico pensando nas últimas coisas que falei com ele. Ele disse que não queria que fosse um adeus. Que finalmente se abriu com a mãe dele, e que ela disse que se ele me ama, vale a pena dar tempo ao tempo, pensar com calma, e esperar. Ele disse que vai dar esse tempo, mas que não quer que eu crie esperanças, porque ele não pode me prometer nada. E eu falei a verdade, que não posso dizer que não espero nada. Alguma esperança eu vou continuar tendo.
E eu tô me agarrando nessa esperança com mais força do que eu deveria. Eu não queria que dois anos e meio juntos acabasse assim. Não queria apagar todo o futuro que eu imaginei com ele. Não queria que ele pensasse em morrer, e que ele precisasse se afastar pra se impedir de fazer algo contra ele mesmo. Queria que ele pudesse cuidar dele mesmo, mas sabendo que eu estaria aqui se ele precisasse. Eu não iria resolver ele, porque só ele pode fazer isso. Mas eu estaria aqui. Queria ter feito isso, queria não ter exigido tanto dele pra mim quando faltava pra ele mesmo.
Eu nem sei mais o que eu tô falando, o que tô pensando. Só tô escrevendo e chorando, e tentando chorar tudo que eu tiver por agora, porque no trabalho eu não vou poder chorar. Eu só espero que ele tenha certeza que eu o amo, mais do que eu achei que poderia amar alguém. Não importa quantas vezes eu tenha dito isso, queria ter dito mais. Queria poder falar isso pra ele todos os dias de novo. Queria que ele achasse uma forma de me amar que ele pudesse aprender a amar ele mesmo também. Queria poder dizer o que meu psicólogo me disse. Que ninguém precisa se afastar de quem ama pra cuidar de si mesmo, porque é importante ter gente que te ama perto. Porque quem te ama não vai resolver teus problemas, isso é com nós mesmos. Mas vai estar ali te dando amor mesmo assim.
Mas eu preciso respeitar o espaço dele. Eu sei que não importa o que eu disser, a cabeça dele já tá feita sobre isso. Se for pra mudar de ideia, se for pra fazer diferente, se for pra voltar, vai ter que partir dele. E eu tô aqui esperando, tentando não esperar, porque eu não posso esperar. Eu preciso parar de chorar. Eu nem sei pra quem eu tô escrevendo isso, pra que, eu só precisava por pra fora de algum jeito. E eu nem sei se alguém vai ler. Ou se eu quero que alguém leia. Só vou deixar aqui e esquecer que escrevi isso.
submitted by DucksAreKindaCute to desabafos [link] [comments]


2020.11.20 00:48 Linxzs A vida é engraçada.

Ontem eu recebi uma mensagem e após lê-la fiquei horas sentado no meu carro, pensando o quão é doloroso deixar pessoa errada entrar na sua vida. Hoje resolvi escrever um pouco sobre isso.
Há um ano atrás eu estava noivo, prestes a se casar, feliz com tudo que estava ocorrendo. E bastante ansioso também. Dois dias antes do casamento ela cancelou. Sem muitas explicações.
Isso me quebrou de uma forma que eu sequer tenho lembranças significativas dos seis meses que passei pós isso tudo. Eu realmente não tenho. É como se estivesse em um estado de coma durante esse tempo. Apenas existindo.
E é incrível como uma pessoa pode abusar do seu amor mais puro, transformá-lo em uma arma e fazer você atirar contra a própria cabeça. Por que digo isso? Bem, a mensagem que recebi foi dela. Um pequeno texto lotado de mentiras superficiais e, uma pergunta: "Você ainda pensa em mim?"
Após ler e reler bastante, lembrei de uma música do Michael Kiwanuka, Love & Hate. Coloquei essa música em um loop infinito no som do carro.
"You can't take me down. You can't break me down."
Pelo menos não mais.
Não odeio ela, mas também não quero me aproximar. Eu aprendi nesse muito nesse tempo. Jamais vou me deixar amar alguém que me ame menos do que eu amo a mim mesmo.
É uma frase estranha, eu sei. Mas tem funcionado comigo nos últimos meses. E mesmo que não pareça, eu ainda sou capaz de amar.
submitted by Linxzs to desabafos [link] [comments]


2020.11.18 21:27 LuneStrok Não sei se odeio mais a saudade ou não saber se tomei a decisão correta.

Boa tarde, meus duques e duquesas.
Se fosse escrever tudo o que desejo esse texto teria 4 páginas, com total certeza queria contar toda a história que me faz sentir assim, mas as pessoas perderiam o interesse, então serei breve.
A um ano terminei com a pessoa que amo, pois estávamos no vai e volta (nunca namoramos) por 5 anos, e isso por ela ter medo da aceitação da família dela (mãe é testemunho de Jeová), eu lutei muito e toda vez que nos afastávamos eu ficava com outra pessoa para suprir o que não tinha, mas como a maioria deve saber isso nunca adianta. Enfim, terminei e foi doloroso e aprendi a conviver com isso, pensei que rolaria o esquecimento e estava enganado, toda semana me lembro dela ou algo me faz lembrar.
Sentir saudades é horrível, quem romantiza isso nunca o sentiu de verdade, e não saber se tomou a escolha certa é muito doloroso por sempre abrigar a dúvida. Certos momentos quero voltar atrás da minha decisão e procurar, mas não quero mais sofrer com tanta luta sem um lugar pra chegar e também não quero sofrer mais com o que acabei de falar. Sei lá se amor assim realmente existe, pois foi a única pessoa que amei, e nunca me apaixonei, apesar de todas as parceiras eu apenas sentia carinhoso e apresso por ter elas por perto.
Inclusive escrevi um texto ontem, quem quiser ler é só clicar AQUI. E também tem outro AQUI.
Saudações para todos vocês.
Edit: Só pra deixar claro, tenho 23 anos, e moro sozinho, tive várias experiências então não é aquela bobeirinha de adolescente. Digo isso por pensar nela sempre como seria minha esposa e mãe de meus filhos, ou seja futuro e não apenas romance de verão.
submitted by LuneStrok to desabafos [link] [comments]


2020.11.15 15:53 backtickbot https://reddit.com/r/Poetry/comments/jun018/poem_black_chant_cântico_negro_by_jose_regio/gce72ug/

Cântico negro José Régio "Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces Estendendo-me os braços, e seguros De que seria bom que eu os ouvisse Quando me dizem: "vem por aqui!" Eu olho-os com olhos lassos, (Há, nos olhos meus, ironias e cansaços) E cruzo os braços, E nunca vou por ali... A minha glória é esta: Criar desumanidades! Não acompanhar ninguém. — Que eu vivo com o mesmo sem-vontade Com que rasguei o ventre à minha mãe Não, não vou por aí! Só vou por onde Me levam meus próprios passos... Se ao que busco saber nenhum de vós responde Por que me repetis: "vem por aqui!"? Prefiro escorregar nos becos lamacentos, Redemoinhar aos ventos, Como farrapos, arrastar os pés sangrentos, A ir por aí... Se vim ao mundo, foi Só para desflorar florestas virgens, E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada! O mais que faço não vale nada. Como, pois, sereis vós Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem Para eu derrubar os meus obstáculos?... Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós, E vós amais o que é fácil! Eu amo o Longe e a Miragem, Amo os abismos, as torrentes, os desertos... Ide! Tendes estradas, Tendes jardins, tendes canteiros, Tendes pátria, tendes tetos, E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios... Eu tenho a minha Loucura ! Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura, E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios... Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém! Todos tiveram pai, todos tiveram mãe; Mas eu, que nunca principio nem acabo, Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo. Ah, que ninguém me dê piedosas intenções, Ninguém me peça definições! Ninguém me diga: "vem por aqui"! A minha vida é um vendaval que se soltou, É uma onda que se alevantou, É um átomo a mais que se animou... Não sei por onde vou, Não sei para onde vou Sei que não vou por aí! 
submitted by backtickbot to backtickbot [link] [comments]


2020.11.15 04:23 Juliodelpi Minha melhor aqui está perturbada e minha namorada está com ciúmes.

Uma amiga muito íntima minha está passando por um momento difícil, muito difícil e eu não posso fazer praticamente nada para ajudar ela além de da meu apóio mostrar que tô presente e aconselhar ela, mas de nada adiante. Acho que conselhos não são capazes de neutralizar dor. Ela tentou cometer suicídio a uns dias atras falhou graças a deus. O máximo que conseguiu fazer foi romper uma veia e cortar várias partes do braço, a mãe dela me enviou umas fotos e me disse oq havia acontecido e isso me deixou em estado de Pânico, me sentir muito mal por não poder fazer nada por alguém que amo tanto.
Os problemas delas são bem complexos e não sei exatamente como posso resolvê-los, tentar ajudar de alguma forma. Ela tem grande disforia com a própria aparência, principalmente dps de um término que ela passou a mesma ficou bem pior.
Também tem os problemas familiares e social que ela tem que encarar, n vou deixar explícito mas é bem pesado.
Me sinto culpado por que tentando ajudar ela fiz ela sair da "zona de conforto" que era sua anonimidade. Ficava falando coisas do tipo: se você quer conhecer pessoas precisa se expor, interagir e tls. Ela tentou fazer isso desarquivamento fotos do insta, expondo seu rosto apesar de odiar ele. Falando sobre si com estranhos, se forçando a ser quem não é pra ser aceita. Eu meio que forcei ela a fazer essas coisa pressionando.
Minha namorada tá muito pistola cmg pq fico chorando quando algo ruim acontece com ela. Fica me indagando se sinto algo pela mesma. Sim, eu sinto um enorme amor platônico com ela, uma das melhores pessoas que já conheci. Mas tbm amo muito minha namorada, amo dms mesmo. Aí ela meio que fica me pressionando tbm para me afastar dessa amiga, eu pensei seriamente nisso e sem perceber fiquei distante nós últimos 6 dias e notei que isso tava me consumindo por dentro. Eu não quero perder de forma alguma minha amiga, tbm não quero perder minha namorada. É complicado pq acho que tenho o mesmo nível de amor pelas duas..
Já conversei com uma namorada que somos apenas amigos e ela fica com ciúmes mesmo assim, eu até entendo ela, poxa o namorado dela fica chorando por outra garota, Fla que ama outra garota nós comentários, e tls mas n de uma forma sexual. Eu só amo ela como irmã e n quero me prender, gosto de demostrar que amo ela.
Eu não sei como ajudar ela, eu tô tentando e ta ficando cada vez pior, eu consigo ver que é apenas fingimento, um belê fingindo, no fundo ela tá na pior se sentido um lixo, deprimida e só.
PS: é uma amiga virtual.
Tô pensando seriamente em pegar um avião e passar um tempo com ela pra ver se csg preencher de alguma forma isso, tentar da meio apoio de perto e até tirar ela de certas situações.
Fato: minha namorada pode querer terminar cmg e certeza ela vai ficar pistola
submitted by Juliodelpi to desabafos [link] [comments]


2020.11.14 23:13 apmscabia Só por hoje... mas dessa vez, eu venci a batalha!

Muita gente aqui deve acompanhar minha trajetória, minha luta contra o álcool. Tive outra conta que apaguei quando estava, digamos, querendo me apagar do mapa. Felizmente, somente a conta foi apagada.
Recaí se não me engano na quinta ou sexta feira. Minha percepção de tempo é completamente alterada pela bebida. Acordei bêbada, ainda bebi pela manhã mas resolvi que não quero - definitivamente - mais esse inferno e despejei a cachaça no ralo do box. O cheiro da 51 é tão ruim, tão forte que conforme a garrafa esvaziava eu me perguntava como suporto beber isso. Só pode ser desespero. E assim esvaiu até a última gota da substância que tira minha lucidez e me transforma numa pessoa suja. Alguém que não quero ser. Traz semelhanças que não gostaria de possuir.
Ainda estou sob efeito. Ainda estou de luto, com saudade da minha mãe, puta com o meu pai, de cara com o barulho dos carros de som. Ainda estou sem dinheiro. Ainda estou viva e com problemas como todo mundo. Mas o pior deles, o pior inimigo mandei pro saco hoje. Eu não quero mais esse inferno. Não quero mais ser esse inferno na vida das pessoas que eu amo. Mais por amor a elas do que a mim mesma, confesso.
Boca seca, enjoo, tontura, pele opaca e sem viço. Músicas de gosto mega questionáveis. Idéias desorganizadas. Não, hoje não, Satanás!
submitted by apmscabia to desabafos [link] [comments]


2020.11.14 14:27 batataadocee Amor

De humano vivo, só sei que amo uma pessoa, meu irmão. Eu sou jovem, n entendo muito bem isso, mas me lembro que um dia, senti que amava o meu irmão, apesar de nossas diferenças. Também sei que amo meus pets e plantas e algumas figuras religiosas, pois eh muito mais fácil saber que os amo, nunca brigamos nem vamos
Fica meio difícil ,no momento, saber se amo meus pais, pq sou adolescente, e tô passando pela fase "meus pais só pensam em trabalho e coisas fúteis, não me entendem". A gente briga bastante, tem umas coisas que eu sei que tô certo, soq eles mandam o "sou seu pai, cala a boca". Então, diferentemente de uns Youtubers que admiro, posso ver muitas faces dos meus pais, como essa que briga
Sei que um dia vou conseguir entender mais um pouco o amor, mas por enquanto acho que os amo, mas as brigas meio que apagam esse conhecimento
Também n sei se eles me amam, tenho quase certeza que sim, mas n acho que eles demonstram do jeito que eu demonstraria pros meus filhos. Quando me abraçam, eh em Natal, ano novo, aniversário, etc e mensalmente quando tão meio felizinhos
submitted by batataadocee to desabafos [link] [comments]


2020.11.13 01:28 maurocaa Como falar com os pais religiosos que você transa?

Olá pessoal! Sou um homem de 19 anos, tive minha primeira vez com uns 15 anos e desde então faço sexo de vez em nunca (sempre com proteção, é claro). O ponto é, estou namorando agora, e a minha e eu namorada obviamente fazemos sexo, e ela sempre me diz que se sentiria muito mais confortável se meus pais soubessem disso, pois normalmente transamos no meu quarto, mesmo com eles em casa fechamos a porta e fazemos lá.
Sei que isso é errado pois estou traindo a confiança que eles tem em mim, eu normalmente sou bem sincero com eles sobre tudo, mas conversar sobre esses assuntos religiosos eu não consigo, tanto que vou na igreja todo domingo com eles pelo simples fato de não quero deixa-los tristes, eu amo muito, muito eles, eles fazem de tudo por mim e não quero que eles fiquem tristes comigo, desapontados ou qualquer coisa assim, mas eu preciso conversar sobre tudo isso com eles e queria começar pela questão do sexo, pois além do meu desconforto, a minha namorada fica muito triste pelo fato de que eu estou traindo a confiança deles, e sinto que posso perder ela a qualquer momento por conta disso.
O ponto é, como falar sobre isso com eles? Eu tenho muito medo da reação deles, pois é bem imprevisível. Quando eles descobriram que eu fumava maconha (já parei faz um tempo), eles me trataram com tanto amor e carinho, foi tão bom poder ser sincero com eles sobre isso, claro que repreenderam muito o uso, mas tudo com muito amor e carinho, porém no dia em que acharam um preservativo na minha mochila foi bem estranho, eles ficaram me olhando com uma cara feia por bastante tempo, mesmo na época eu mentindo falando que era pra se caso acontecesse e que eu ainda era virgem, então estou com muito medo, medo da reação deles, medo de perder a minha namorada por esconder isso deles, e também medo de estragar a minha relação que é muito boa com eles.
submitted by maurocaa to desabafos [link] [comments]